segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Serpentinas de emoções


Porque ando em festa e sinto as minhas emoções como serpentinas a saltar no ar ... euforia, alegria, extravasar o sentir ... eis o espírito do Carnaval ...

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Ventos de Carnaval ...

Carro alegórico em Torres Vedras -
Mr. Ronaldo e os seus Ferraris

Carro alegórico em Torres Vedras -
Mr. Ronaldo e suas "muchachas" Carro alegórico em Torres Vedras - Tema: As profissões

Carro alegórico em Torres Vedras - Tema: As profissões
Aqui vos deixo umas fotos tiradas por mim ontem em Torres Vedras ... aqui têm um ventinho de Carnaval que vai começar a soprar por lá amanhã com os desfiles de Carnaval ... estes dois carros alegóricos estão o máximo e ainda há outros mais engraçados ... amanhã trarei mais para se divertirem ... até ... e divirtam-se!

Sem paciência ...

Nesta última semana tenho andado sem paciência, sem vontade de trilhar os caminhos da escrita ... tudo o que me sai parece forçado, em emoção, sem força ... sinto-me cansada ... cansada de tanta coisa ... do trabalho que nunca tem fim, de tanta coisa que vejo e percebo e não queria ver nem perceber a léguas, cansada de tanta hipocrisia, faz-de-conta, de mentiras ... tenho dias que estou farta da vida, das pessoas, do mundo ... não tenho paciência para falar com quer que seja ... quero estar só, no meu canto, mudar de mundo, de vida ... cada vez noto mais que sou uma mulher solitária, mas também cada vez mais me apetece menos falar e conhecer novas pessoas ... talvez esteja a ficar bicho do mato ou a ficar com mau feitio ou a piorar o que já tinha ... mas o que me interessa falar, conhecer pessoas que me mentem a toda a hora, o que me interessa ter amigos e amigas que pela minha frente sorriem e por detrás dão facadas nas costas ... perdi a paciência, o ter que aturar ... não sou obrigada a isso ... Cansei-me de tudo e de todos ... Quem me dera ter a paciência da formiga ...

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Evolucionismo versus criacionismo

Imagem retirada da net
Fez ontem 200 anos que Charles Darwin nasceu ... e por isso a inauguração da exposição na Fundação Calouste Gulbenkian ... Darwin foi considerado pelos homens do seu tempo como um louco, ridicularizado ... no entanto, foi como todos os cientistas o são ... um visionário, um homem à frente do seu tempo ... e o motivo que o levou a esta pesquisa, a esta descoberta foi o horror que tinha à escravatura.
A origem do homem, do mundo era um tema muito debatido e polémico na sua época, o homem procurava soluções e ainda procura para a origem do mundo, do homem e das espécies apesar da teoria da evolução das espécies estar mais do que comprovada quer a nível das ciências naturais, quer a nível das ciências humanas, nomeadamente a História e a Antropologia ...
A questão de fundo ou o problema como o quiserem chamar no tempo de Darwin e ainda actualmente assenta basicamente no questionamento do criacionismo, na teoria que assenta na criação do mundo e do homem em sete dias, cuja a base de sustentação é a Bíblia e a religião, como é óbvio. E é ainda essa polémica que faz com que 50% das escolas americanas não leccionem,actualmente, ainda a teoria evolucionista de Darwin preterindo-a à criacionista.
Não podemos porém misturar ciência e crença, ciência e fé ... não podemos subjugar o poder da ciência, a sua racionalidade, a sua experimentação e base empírica e comprovada ao domínio da fé, do improvável ... Há que dividir áreas , há que separar águas e infelizmente em pleno século XXI com o desenvolvimento da ciência, da técnica, das tecnologias de ponta há quem ainda não compreenda qual o domínio da ciência e o campo da fé, da religião ...
Houve uma evolução das espécies ... e depois qual o problema de termos evoluído do macaco? E haveremos de continuar a evoluir ... esperemos que para melhor?!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Dizes ...

Foto retirada de 2.bp.blogspot.com/.../Geisha-Postcards-7.jpg
que o amor é uma coisa rara ...
Digo-te nem sempre o encontramos ao virar da rua ...
Dizes ...
que a vida é para ser vivida devagar ...
Digo-te que sou uma mulher que vive ao segundo ...
Dizes ...
que a felicidade é relativa ...
Digo-te que Einstein já sabia disso quando descobriu a sua teoria ..
Dizes ...
que o amor platónico não existe ...
Digo-te que Platão era um homem com alma singular ...
Dizes ...
que o sexo é uma forma de expressão do amor ...
Digo-te que é a maneira de chegar ao indizível, ao infinito ...
Dizes ...
que as mulheres são seres estranhos e com pensamentos confusos...
Digo-te que os homens são seres ambíguos e a sua racionalidade é muito dispare ...
Dizes ...
que é nas diferenças que se encontra a alma gêmea ...
Digo-te que isso não existe ... apenas seres que percorrem caminhos paralelos e se encontram nas encruzilhadas da vida ...
Dizes...
que eu sou muito filosófica ...
Digo-te ... és demasiado sentimental ...

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Acendi uma vela pela sua paz ...

Poderia fazer aqui uma crónica, uma reflexão, um debate até acerca de dois acontecimentos ambos trágicos e dolorosos dos últimos dias: os incêndios na Austrália e a polémica em torno da morte assistida de Eluana ...
Em relação aos incêndios poder-me ia questionar para além das condições climatéricas que proporcionaram esta catástrofe o que levou mãos criminosas, mas humanas a fazerem uma barbárie deste tamanho? Uma barbárie que levou à morte de mais de uma centena de seres humanos, que destruiu milhares de casas, quintas, terrenos, carros ... que arruinou de uma vez por todas a vida, o trabalho de uma vida de milhares de pessoas ... que trabalharam, lutaram, sofreram para ter a sua casa, o seu canto ... será que esses criminosos , pois é assim que lhes chamo também não têm casa, família, lar ? Perante um quadro apocalíptico, dantesco não existem palavras, não existe nada que possa escrever ... é algo aterrador, uma dor enorme ... apenas as lágrimas conseguem rolar pela face perante tais imagens, porque só consigo imaginar se fosse comigo, connosco?
Para os que morreram carbonizados, para os que morreram a fugir das chamas como se tivessem perante o Fim do Mundo, para os que tiveram a visão do Inferno, para os que perderam amigos, familiares ... para os que perderam tudo na vida ... acendi uma vela pela sua paz, uma luz no fundo do túnel, uma luz no meio do terror , do caos ... para que possa atenuar um pouco a sua dor ...
Acendi também uma vela por Eluana ... pela sua paz ... pela sua vida, sem vida ... para que parta em paz ... para que pare o seu sofrimento, a sua vida artificial ... há anos que debato, que falo, que reflicto sobre a eutanásia nas minhas aulas de Filosofia ... como vos disse poderia fazer aqui uma reflexão filosófica e ética ... a minha modesta opinião é que devemos e podemos viver com dignidade, a partir do momento em que não vivemos, mas sobrevivemos de uma forma artificial sem qualquer capacidade decisiva e cognitiva ... a eutanásia é sempre uma das soluções ... porque a vida pertence a cada um, não é resolução de tribunais em que o carácter da humanidade fica sempre para trás, a legalidade sobrepõe-se à humanidade, a religiosidade sobrepõe-se à dignidade humana ...

Apenas alma ...

Imagem retirada de http://www.portugalnet.pt
Sinto-me cansada com este corpo ... arrastou-o pelos caminhos, pelas ruas ... cansada de existir, de ser ... vou-me arrastando ... pensando que talvez um dia o relógio do tempo pare, a ampulheta que teima em passar grão a grão o tempo a passar parasse ... queria ficar sossegada a descansar este corpo dormente, este corpo que trago, que viaja dia após dia para trás, para a frente ... às vezes, apetecia-me ter apenas a alma, leve, singela, brincalhona ...leve que nem uma pluma e poder sem materialidade fazer tudo o que faço ... neste momento, sinto o meu corpo cansado, demasiado cansaço ...mas a alma viva, alegre... exaltante ... era bom por vezes, talvez por um dia termos apenas a alma e deixar o corpo em casa a descansar ...

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Rosto ... rostos

Imagem retirada da net

À noite em frente ao espelho ... cansada ... retiro as máscaras que coloquei ao longo do dia ... máscara de uma pessoa - a "persona" - que está perante os outros, perante a sociedade ... às vezes perguntou-me se estarei a ser 24 horas por dia sincera comigo, se não estarei a representar um papel qualquer ... outro eu que afinal é a outra faceta que guardo nas profundezas do meu insconsciente ... e não estaremos todos nós a fazer isso todos os dias?

Não que sofrámos de uma espécie de esquizofenia, de falta de identidade, de uma heteronomia ... não mas somos cada um seres tão complexos, com vivências tão ricas que acabamos por não ter somente O Rosto, mas ... rostos?

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Acasos sem acaso

Esta semana fui ao cinema, tive uma companhia especial ... ao longo do filme pensava nos acasos da vida que não são meros acasos ... que as coisas nos acontecem ou nem chegam a acontecer porque não tem mesmo de ser, talvez porque não estejamos preparados ... o tempo parece andar ao contrário, o relógio parece funcionar ao inverso ...

Temos oportunidades que não aproveitamos, mas mais à frente acabamos por torná-las realidade, valendo a pena o tempo que se esperou, o gosto é outro, o requinte é outro ... Há pequenos momentos, pequenas coisas que são triviais, que são até um aborrecimento ... mas que fazem parte da nossa forma de estarmos vivos e porque o estamos ... somos humanos, saudáveis e capazes ...

Na vida vamos tropeçando com uma série de acontecimentos, de casos, de pessoas ... com uns aprendemos, com outros choramos; com umas pessoas ficamos desiludidas, magoadas; com outras choramos o seu afastamento, a sua perca ... mas não era ainda aquele momento para estarmos com aquela pessoa, para aprendermos o que tinhamos a aprender ... há um momento certo para tudo; há alturas que para sermos amigos, companheiros de alguém tem de haver mesmo a separação para cada um percorrer o seu caminho, para cada um crescer espiritualmente e poder dar de verdade mais tarde, de uma forma mais intensa ... por muito que nos custe , a vida tem de ser assim ... e se por acaso alguém desaparece da nossa vida, por acaso também regressara ... há mistérios que não conseguimos desvendar ... longe ... muito longe ... há milhares de pessoas que pensam em outras, que todas as noites antes de adormecer lhes desejam boa-noite em pensamento, acreditando que essa mensagem chegará até ela ... que pensam que a outra pessoa já a esqueceu ...mas por acaso ou não despede-se dela, também todas as noites: "Boa-noite, meu anjo. Dorme bem!"

Estes acasos sem acaso que não sabemos se são cruzamentos do destino ou na nossa liberdade, o tempo atraiçoa-nos ou talvez não?