segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Tal como os felinos ...

Tal como os felinos devemos andar com cuidado nesta vida, prestar atenção ao que e a quem nos rodeia, seguir de forma cautelosa, ao mínimo ruído ... escutar bem o que lá vem ... por vezes, pode ser um defeito ser desconfiado; outras vezes, uma virtude ... nunca confiar a 100% naqueles que não conhecemos bem ...
Eu, por norma tenho o costume de confiar na natureza humana, partindo do tal princípio de Rousseau de que todo o homem é bom por natureza, mas deixo sempre uma margem para umas pequenas dúvidas ... há pessoas que me têm mostrado terem um coração de ouro, outras que me têm desiludido apesar de se auto-intitularem minhas amigas ... no entanto, tenho um dom ou um defeito ... depende da perspectiva ... possuo uma excelente memória ... e jamais me esqueço até dos pequenos pormenores e quando alguém entra em contradição, quando alguém hoje me diz uma coisa e amanhã outra sobre a mesma coisa ... bingo ... apanhei a mentira , porque as pessoas esquecem-se que o tal ditado popular "Apanha-se mais depressa um mentiroso , do que um coxo." é uma verdade incondicional! E assim ... acabo por ter pena ("Temos pena!" como costumo dizer), essa pessoa meteu o pezinho na argola, comigo!
Depois há outra coisa que detesto, odeio ... alcoviteirices, coscuvelhices e ver-me metida no meio de ditos e mexericos, de pessoas que realmente não tem mesmo nada que fazer ... eu tenho que fazer e muito ... Na minha vida quotidiana, sou uma pessoa pacata, bem-disposta e em todo o lugar que vejo muito alarido, confusão e mexeriquice do diz-que-diz afastou-me, não tenho paciência para intrigas ... sempre fui assim e serei, tento medir as minhas palavras para não ser acusada de provocar boatos ou difamações. Talvez por isso, onde moro sou vista como alguém que faz a sua vida, no emprego como uma pessoa tranquila, pelos meus amigos mais íntimos como uma boa amiga ... em termos de amizade, quando as coisas não me agradam afastou-me sorrateiramente, sem palavras ou justificações ... se a pessoa não me interessa ... retirou-me em silêncio.
Na vida virtual ...aqui pela net ... já fui apanhada no meio de certos ditos e mexericos ... fiquei fula e revoltada... meterem-me em confusões, mas muito sinceramente isso só veio mostrar a verdadeira essência das pessoas como eu digo ... tenho memória de elefante a acabo por apanhar no meio disto tudo a verdade e a verdade é que as pessoas não são sinceras comigo ... Sorry ... é essa a verdade ... tenho pena é de ter perdido um amigo à conta de parvoíces em que eu nem fui perdida nem achada ... mas será que esse meu amigo me conhecia ou me conhece realmente como eu sou?
Tal como os felinos contínuo a ser um bicho solitário, que anda com precaução, sempre à escuta de o menor ruído porque mesmo cautelosa continuarei a aprender a ter cada vez mais cuidado com quem me rodeia ...

2 comentários:

Manuel disse...

Que se passa? Tanta angustia assim de repente? Olhe em frente, entre no Ano Novo com um sorriso e esqueça os medíocres, os frustrados.
Há tanta coisa linda......

Ennoea disse...

Olá, Manuel! Angústia ... não ... apenas umas coisitas que vi, li e desabafei ... este post foi um desabafo ... Tem razão no que diz ... esquecer os medíocres e olhar em frente, traçar novos planos, projectos e conhecer pessoas novas e interessantes, deixando a mesquinhice de lado de quem não tem nada para se ocupar! Obrigada pelo seu apoio e pelas suas palavras! Beijinhos