sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Incompletude

Quando és uma mulher do pensamento, estás habituada a falar muito de ideias, de ideais, de espírito há determinadas coisas que para ti são "clichés" e achas que, por vezes, mais vale falar de prazer e de corporiedade para esqueceres um pouco daquilo que falas todos os dias. Olhas para o teu passado e vês as alturas em que pensavas na morte, no suicídio e que nada fazia sentido ... eras ateia ... pensavas que Deus era um mito ou mais uma personagem de uma série bem elaborada de Banda Desenhada, quase por desespero agarraste-te a Ele, talvez para não te matares , talvez para não cometeres aquelas loucuras que te vinham à cabeça. Quando O conheceste choraste muito, muito ... a dor imensa que havia dentro de ti precisava de ser expurgada, liberta ... prometeste a ti mesma que seria em prol dos outros que serias feliz, prometeste a ti mesma que farias o bem, darias pão a quem tivesse fome, levarias água a quem tivesse sede, estenderias as tuas mãos a quem precisasse de ajuda, os teus braços a quem necessitasse de um abraço ... querias despojar-te de ti mesma, dos teus bens, de ti mesma para te dares aos outros de forma desinteressada e gratuita ... porém não tiveste coragem ... porém o desejo da carne, do prazer começou a chamar-te de uma forma forte e não aguentaste o voto de castidade que te pediam ... afastaste-te e andaste a conhecer o outro lado da vida, do sensível, da carne, do prazer e do desejo ... mas isso nunca te completou ... às vezes, o alcóol era o teu refúgio, às vezes o cigarro fazia com que o teu pensamento deambulasse como o fumo, mas na realidade sabias que te faltava algo ... no amor e no companheirismo procuraste quem te desse prazer e estabilidade, Deus não te o deu, mas o homem também não ... Cresceste, amadureceste e tentaste esquecer-te, esquecer com o trabalho, com as preocupações diárias ... mas quando estavas só ... sabias da tua condição, da tua incompletude, da tua tristeza, da tua procura ... sempre achaste que era uma quimera, afinal és uma mulher do pensamento ...

Sem comentários: