A intemporalidade do tempo

http://www.marinha-grande.com/blog/tempo.jpg (Imagem retirada de)

O tempo foge, como as folhas que caem de uma árvore e voam levadas pelo vento ... O tempo urge ... parece um pouco absurdo aquilo que estou a dizer, mas os dias, as semanas, os meses, os anos vão passando tão rapidamente que nem dou por eles ... olho para trás e começo a constatar que já passaram quase quatro décadas da minha vida ... talvez, muito concretamente apenas as duas primeiras tenham tido algum resultado prático ... é ridículo, mas nestes últimos vinte anos vejo que a minha vida se tem reduzido ao trabalho, pouco à família, quase nada a mim mesma ... é estranho estar com esta conversa, mas vejo os meus dias preenchidos com papelada, com trabalho, vejo os dias a passar e constato que não vivo ... sobrevivo ... sobrevivo para ter o meu emprego que neste momento me está a pedir o impossível, sobrevivo para ganhar uns quantos euros por mês, sobrevivo para dar o meu melhor à minha família, sabendo que o amor, o carinho, a atenção é dada em contra relógio... arrasto-me ... ando ... deambulo pela vida ... tentando não pensar muito no que está a acontecer, não pensar muito que não tenho qualidade de vida nem estou a aproveitar as minhas potencialidades ... esta incongruência do tempo que nos faz cada vez menos ser humanos e cada vez mais máquinas, robots ... seres sem pensamento, seres sem crítica, sem contestação ...

Comentários

Mensagens populares deste blogue