terça-feira, 30 de setembro de 2008

Orgulho de ser mãe (II)

Imagem retirada da net


Ao fim de um mês de internamento ... a minha filha voltou para casa, ao fim do vigésimo sexto dia de vida chorou ... foi uma alegria ... o meu bébe ia finalmente para casa ... mas não foi fácil ... o desmame da medicação não foi feito e todas as noites à mesma hora ela chorava ... chorava compulsivamente ... horas e horas a fio e nós sem sabermos o que fazer ... não podia chorar muito, as convulsões poderiam repetir e os danos cerebrais serem maiores ... o meu instinto materno deu-me para cantar ... e cantava horas a fio ... quando o meu repertório de canções tinha terminado ... inventava umas quantas canções ... e assim fui ultrapassando esta quase inexperiência de ser mãe, de ter um bébe que sabia naquele momento não ser fácil de criar ... ao fim de um mês de estar com a minha filha fui trabalhar ... a minha vida de professora, a insegurança do meu trabalho levou-me a ir trabalhar quando fui colocada ... e era um milagre estar colocada, naquela altura os professores ainda não tinham direito a subsídio de desemprego e não podíamos dar-nos ao luxo de ficar em casa ...


Inicialmente, a minha filhota saía de casa às sete da manhã e ia para casa dos avós, que sempre foram o seu porto de abrigo, os seus segundos pais ... quando chegava ia buscá-la, mas em Novembro começam as bronquiolites, os problemas respiratórios, as crises de asma ... e a única solução foi tentar evitar que ela apanhasse frio, humidade e começou a ficar em casa dos avós ... por vezes, culpou-me porque a fui deixando nos avós, mas para mim a sua saúde sempre foi uma prioridade, já bastava os problemas que decorreram do parto ... então começou a martírio das cinesterapias ... durante quase três anos ... mas se pensam que ficou por aqui ... enganam-se ... com oito meses a minha filha não se sentava, nem segurava a cabeça ... ia aos pediatras particulares, ao pediatra e neurologista pediatrico e apenas diziam que tinha de ter paciência ... não havia nada de mal, apenas tinha um bébe um pouco preguiçoso ... teimosa e sentindo que algo não estava bem ... resolvi colocar a minha filhota na natação aos nove meses ... lá em casa diziam que eu tinha a mania das doenças, que inventava doenças à minha filha ... mas provavelmente se me tivesse deixado ficar ela não seria o que é hoje ... com a natação rela começou a sentar-se, a segurar a cabecita e no Hospital disseram-me a meia voz que ela estava com um atraso motor ... mas para não me preocupar ... mas preocupei-me e começou a fazer fisioterapia particular ... pois o hospital achou que ainda era cedo demais ... é sempre cedo demais para eles ... se não fosse estar tão atenta ... (Continua)



terça-feira, 23 de setembro de 2008

Orgulho de ser mãe (I)

Imagem retirada da net
Depois de tudo o que passei durante estes anos, depois da dor, da tristeza, da mágoa da traição que a vida me pregou ... sinto orgulho, sim ... olho para a minha filha e sinto orgulho na pequena mulherzinha que ela se tornou ...
A vida tem sido amarga e triste para ambas ... quando engravidamos pensamos que tudo vai correr bem, idealizamos quase inconscientemente o nosso ideal de filho(a) e esperamos que ele nasça ... Nunca pensei sinceramente se preferia ter um rapaz ou uma rapariga, nunca me preocupei sequer com o seu nome, bastava-me vir saudável, bem ... mas como a vida é traiçoeira e quando tudo parecia correr bem algo falhou ... e infelizmente foi no momento do parto ... as coisas correram mal para mim e para ele(a) ... dois dias à espera de vir ao mundo ... dois dias que quase foram fatais ... dois dias porque estava enrolado(a) no cordão umbilical ...
Ambas não partimos deste mundo porque não tinha que ser ... a minha filha (é uma rapariga) nasceu apenas com 30 segundos de vida, quase por milagre estava a equipa de pediatria na urgência ... não por mim, mas por outra mãe ... Fui proibida de vê-la nas primeiras 24horas de vida, não sabia se ela era viva ou morta, apenas tinha visto a minha bébe a nascer roxa, sem chorar como um bocado de carne que cai em cima de algo ... jamais esquecerei esta imagem ... jamais esquecerei a fotografia que me entregaram com a minha filha toda entubada ... tinhas apenas 4 horas de vida ...
Sim ... sinto orgulho ... na minha filhota pela força que ela teve ao enfrentar a morte no momento em que nasceu ... sim ... sinto orgulho pelo seu sorriso e ar feliz ... sinto orgulho porque anda, fala e é uma criança inteligente ... Passei muito, chorei muito, houve dias que achei que era a pior mãe do mundo, a pior pessoa ... porque me tinha acontecido aquilo a mim? No primeiro mês de vida, a minha filha viveu no hospital ... não chorava, não mamava, apenas tomada doses excessivas de calmantes para não voltar a ter convulsões ... após vinte seis dias de vida chorou pela primeira vez e eu não estava lá ... após dois dias do parto fui enviada para casa e devido a um problema de saúde crónica passados quinze dias adoeci ... uma no hospital ... outra em casa ...
Apenas o que me diziam é que o minímo que podia acontecer à minha filha era ter um problema mental ... achei que Deus se tinha esquecido de mim ... achei que era a mulher mais pecadora deste mundo ... que o mundo tinha caído na minha cabeça, que tudo se tinha desmoronado ... mas no fundo tinha esperança ... restava uma luz de esperança ...
(Continua...)

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Devagarinho ... vem a caminho ...

Foto retirada do Site Navegar na Ciência

O tempo começa a arrefecer, as manhãs começam a ficar mais frias e húmidas, as noites convidam a ficar em casa no quentinho a ver televisão, a ler um bom livro ou a navegar pela net ... Já apetece uma bebida quentinha, um café a fumegar, uma sopinha deliciosa ... Ao olhar para o roupeiro deparou-me a colocar de lado as roupas mais leves e fresquinhas, as blusas de alças vistosas, as saias de chita esvoaçantes ... apetece aconchegar as camisolas de lã, umas meias mais quentinhas ...

Apetece despedir-me da praia, da areia, do sol, do bronzeado, do cheiro a mar e dos sorrisos de Verão ... guardo religiosamente os meus biquinis até à próxima ida à praia, por agora só lá irei passear, matar saudades do som das ondas que teimam em beijar a areia ... Agora é tempo de vestir o fato de banho, ir para a piscina aquecida e dar umas belas braçadas durante umas horas ...
È tempo de recomeçar a rotina, as férias do Verão já lá vão ... de começar as aulas, o stress e de recomeçar as dietas pois o Verão foi amigo do pecado e da gula ...

Devagarinho ... o Outono vem a caminho ... as folhas começam a amarelecer e a cair lentamente ... como se pedaços da nossa memória esvoaçassem ao vento, como se bocados de nós teimassem em cair, cair no nosso esquecimento e nos preparássemos para uma nova vida, para uma nova etapa ... sim, como lentamente entrássemos num processo de mutação e de reiniciação pessoal ... despojados do passado que nos feriu e magoou, como se esvaziássemos o nosso coração de tudo de mau que nos aconteceu e empreendêssemos uma fase de novo reflorescimento ...

O Outono vem a caminho, mas com ele vem também mais tempo, mais disponibilidade para ficarmos em casa junto de quem amamos, olhando pela janela a chuva que teima em cair lá fora, o vento que sopra de forma ruidosa, o frio que gela o pensamento ... sentimo-nos protegidos e aconchegados ...
Devagarinho ... vem a caminho ... o Outono!

domingo, 21 de setembro de 2008

Isto de ter uma filha pré-adolescente ...

Foto retirada da net

Isto de ter uma filha pré-adolescente ... é obra!!! A minha filhota continua a ser para mim um bébe, acho que nem dei conta como ela cresceu ... agora dou por mim a vê-la empolgada por jogadores de futebol, rapazes musculados, posters do Cristiano Ronaldo e dos grupos de rock pelo quarto inteiro ... um delirio ...
Noutro dia na praia, chamou-me à atenção para o nadador-salvador ... :
- Oh! Mãe! Já viste o giraço do loirinho?
Eu nem queria acreditar no que estava a ouvir ... giraço ... loiro ... Aonde está o meu bébe?
Estou a ficar velha ... realmente!

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Comunhão

É no campo que vemos a plena comunhão entre o céu e a terra.


sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Depois do descanso ...


Da magnitude da Natureza, da reflexão, do estar comigo ... inicia-se uma nova fase, um novo ano de trabalho!
Aqui estou de novo ... de regresso ...