Sagrada/Profana

(Bosch, O Jardim das Delícias)



Sei-me finita

Sei-me um ser, aqui e agora

Sei-me um instrumento

Sei que algo de sagrado

em mim se revela ...



Sou hierofania

sou uma marca da sacralidade

sou uma imanência em que

se manifesta a transcendência

Em mim contenho o

segredo da minha existência

Possuo em mim mesma

o princípio e o fim;

o nascimento e a morte;

a luz e as trevas;

o sagrado e o profano.


Em tudo o que faço

Em tudo o que sou

Em toda a minha finitude

manifesta-se a infinitude...

Em toda a minha contingência

manifesta-se a eternidade ...

Comentários

Mensagens populares deste blogue